Eu vou e vc? Mostra Cinemarginal a partir desta quarta-feira no Porão do Palácio da Cultura




O amigo Wesley Machado solicita e o blog divulga:

"Começa nesta quarta-feira (28), às 18h30, a Mostra “Cinemarginal”, que vai exibir longas e curtas-metragens no Porão do Palácio da Cultura, dentro do projeto “Cine Porão”, da Fundação Cultural Jornalista Oswaldo Lima. Na programação, serão exibidos os filmes “Os Monstros de Babaloo”, “Sem Essa, Aranha” e “Meteorango Kid”, entre outras produções do final da década de 1960 ao início da década de 1970. Os filmes que estarão em cartaz, proibidos pela censura durante a ditadura militar no Brasil, foram liberados depois de um longo tempo no ostracismo e lançados em dvd no ano passado.

-Quando assumimos a fundação, encontramos um porão fétido e imundo. No final do ano passado reinauguramos o porão com o evento “Expresso do Oriente”, que foi um sucesso. Depois realizamos a “Vanguarda 2009” no dia da cultura. Agora começaremos a utilizar efetivamente o porão com o projeto “Cine Porão”, que será aberto com a mostra “Cinemarginal”, exibindo filmes que foram censurados na época da ditadura. Será uma oportunidade de debater o período conturbado dos anos 60 e 70 no Brasil, falou o presidente da Fundação “Oswaldo Lima”, Avelino Ferreira.

A Mostra Cinemarginal acontecerá pela primeira vez em Campos e trará à cidade filmes raros. Mostras desse quilate só aconteceram em capitais como Rio de Janeiro, São Paulo e Teresina, no Piauí. O evento será abrilhantado pelas participações do diretor de teatro Winston Churchill Rangel, o poeta Dedé Muylaert e o realizador em áudio-visual Alexandro F., que falarão sobre temas relacionados aos filmes exibidos. A mostra terminará na sexta-feira (30).

Cinema Marginal – O Cinema Marginal foi um “movimento” cinematográfico brasileiro do final dos anos 1960 ao início dos anos 1970 que rompeu com os cinemanovistas, quebrando as estruturas, narrativas e linguagens tradicionais dos filmes engajados e sociológicos do Cinema Novo. Os marginais, filhos do Cinema Novo, foram acusados de matar o pai. O movimento ganhou outras alcunhas como Cinema Poesia, Cinema de Invenção, Cinema Pós-Novo, Cinema Udigrúdi e Cinema da Boca do Lixo, Cinema Marginal. Os filmes foram produzidos durante o período conturbado da ditadura militar, logo após o AI-5, o que gerou uma rebelião cultural. Os filmes do Cinema Marginal são irreverentes, irresponsáveis, ingênuos, alegórico, lisérgicos, etc. Os marginais liberaram o microfone e a câmera. Eles faziam cinema só pelo prazer de fazer, o que resultou em filmes oníricos, do sexto sentido, do inconsciente, que expressavam a revolta de uma geração perdida, que reagiu contra a repressão armada de ideias. "



PROGRAMAÇÃO

28/04

Os Monstros de Babaloo
(dir. Elyseu Visconti, Brasil, 1970)
Sinopse: Este filme, que foi proibido pela censura, constrói uma metáfora selvagem da classe média brasileira durante o regime militar. Deboche, experimentalismo e humor são usados para criticar o moralismo dos costumes da época.
Duração: 120 min.

Após a exibição do filme, o diretor de teatro Winston Churchill Rangel falará sobre Censura.

29/04

Histórias em Quadrinhos
(dir. Rogério Sganzerla e Álvaro de Moya, Brasil, 1969)
Sinopse: Documentário inventivo que faz um breve panorama da evolução das histórias em quadrinhos. Utilizando técnica do quadro a quadro, conta a história das HQS no mundo desde Spirit, passando por Snoopy até Fantasma.
Duração: 9 min.

A Miss e o Dinossauro – Bastidores da Belair
(dir. Helena Ignez, Brasil, 2005)
Sinopse: Uma câmera Super-8 filma a festa de despedida da produtora Belair, que realizou um filme por mês, entre janeiro e maio de 1970, durante a ditadura militar. As imagens foram feitas antes de Rogério Sganzerla, Helena Ignez e Júlio Bressane
partirem para o exílio.
Duração: 18 min

Sem essa, Aranha
(dir. Rogério Sganzerla, Brasil, 1970)
Sinopse: O fantástico Aranha é o último capitalista do Brasil. Ao fazer uma reflexão sobre o país, ele se diz exilado no Paraguai.
Enquanto isso frequenta boates e inferninhos em uma ambientação que remete aos morros cariocas.
Duração: 92 min.

Após a exibição dos filmes, o poeta e jornalista Dedé Muylaert falará sobre Marginalidade.


30/04

Tragos
(dir. Daniel Azevedo, Brasil, 2008)
Sinopse: Um jovem entra no extinto Bar do Estranho. Ele encontra com um colega, que toca no violão a trilha musical do filme, bebe uma Xixa, fuma um cigarro ou mais, vira uma dose de cachaça e vai embora.
Duração: 6 min.

A Fonte
(dir. Mário Cravo Jr., Brasil, 1970)
Sinopse: Filmado em 16 mm, o curta mostra, por meio de imagens oníricas, a concepção e a construção da escultura/monumento “Fonte do Mercado”, realizada pelo escultor Mário Cravo na praça do antigo Mercado Modelo, em Salvador.
Duração: 12 min.


Doce Amargo
(dir. André Luiz Oliveira e José Umberto, Brasil, 1968)
Sinopse: Um vendedor de pirulito de maconha em guarda-chuva perambula nas ruas e é linchado pelas autoridades.




Sonhando em se libertar, ele entra num estádio vazio em plena Copa do Mundo.
Acaba se revoltando e fazendo uma guerrilha solitária na praia.
Duração: 17 min.

Meteorango Kid- O herói intergalático
(dir. André Luiz Oliveira, Brasil, 1969)
Sinopse: O estudante universitário Lula atravessa o labirinto do cotidiano através de fantasias e delírios libertários, deixando atrás de si um rastro de inconformismo e um convite à rebelião em todos os níveis.
Duração: 85 min.

Após a exibição dos filmes, o realizador em audiovisual Alexandro F. falará sobre o uso da câmera como arma cultural.

2 comentários:

Anônimo disse...

Eu vou com certeza!!!

Wesley Machado disse...

Ficou bacana o slide, Sepé. Gostei da granulação e dos "defeitos" das imagens, estilo película. Depois vc me ensina como é que faz. Espero vc lá. Grato. Uma abraço, Wesley.