Rema Campos vence duelo na Argentina

Contrariando todas as expectativas da equipe da casa, o Rema Campos venceu 4 das 7 provas disputadas na Argentina, provando mais uma vez que investir em esporte vale a pena. A equipe, que deixou a cidade no último sábado, dia 14, viajou mais de 40 horas para participar de um duelo contra a equipe argentina Teutonia, e acabou levando o título da competição nas provas Skiff Infantil, com Kevim Sá Damasceno, Skiff Aspirante, com Marcelo Junio Mendes de Oliveira, Double Aspirante, com Fabrício Teodoro dos Santos e Lucas Lopes Marins Azeredo e a prova mais esperada nas regatas, o Oito Com (ou Oito Gigante). “O entusiasmo e a alegria dos nossos meninos contagiou a todos durante a Regata... esse resultado foi bastante merecido! Essa viagem é um marco na história do remo de Campos, e agradecemos o patrocínio e apoio da PETROBRAS, da Prefeitura Municipal de Campos e da Coagro, Vital Engenharia, SVG Construções e Consultoria, Ortolink e Itakorea, empresas socioresponsáveis que acreditaram no potencial dos nossos atletas e tornaram esse sonho possível.”, finaliza Dimisson Nogueira, presidente da Associação de Remo de Campos. A delegação do Rema Campos está com chegada prevista a nossa cidade no próximo sábado, dia 21, ao meio-dia. Na bagagem, momentos que ficarão guardados para sempre na memória de cada um deles e a certeza de que é possível ultrapassar as fronteiras sociais em busca de novos desafios.














VAMOS BRINCAR DE GANGORRA, MEU AMOR?

VAMOS BRINCAR DE GANGORRA, MEU AMOR?

Quando um está mal, o outro deve estar bem.

Quando um está irritado, o outro deve ser paciente.

Quando um está cansado, o outro deve encontrar disposição.

Quando um adoece, o outro deve mostrar saúde.

Quando um se envaidece de razão, o outro deve ser humilde no 
cuidado.

No casal, as fraquezas não podem convergir. Não podem ocorrer simultaneamente.

Se vê que sua parceira explodiu, escolha um momento distinto para desabafar e reclamar. Recue de sua catarse. Deixe para o dia seguinte. Ela nem irá ouvi-lo no acesso de cólera.

Quando os dois decidem ser a parte mais fraca do relacionamento, os laços sucumbem.

Não podem ocupar o mesmo papel, o mesmo script. Só há vaga para um protagonista em cada crise. Alguém terá que ser coadjuvante. 

Dois vilões no mesmo filme geram divórcio.

A alternância é o segredo da convivência. Mudar de lugar sempre, analisar quem mais precisa e ceder se for necessário.

O que traz estabilidade é a gangorra: quando a mulher cai, o homem estende o braço, quando o homem vacila, a mulher acode.

A separação acontece quando duas chagas conversam procurando mostrar qual é a mais funda. É quando duas feridas travam uma guerra buscando sangrar mais, e nenhum dos lados estanca a própria carência.

O sofrimento acentua o orgulho, a dor agrava a cegueira, a  ansiedade de resolver logo a discordância apenas abre a porta para o fim.

É uma disputa do desespero, e o casal se afoga nas mágoas. Não haverá sequer um salva-vidas acordado.

Ainda que sobre paixão, ainda que reste confiança, nada segura o momento em que os dois coincidem em enlouquecer. A loucura  exige troca de plantão.

O casal é capaz de destruir uma história linda e promissora por  uma noite de fúria.

A esposa e o marido se transformam em crianças, e crianças abandonadas em casa berrando e com medo. Tentarão gritar alto para chamar os vizinhos e denunciar os maus-tratos. E vão se indispor e se ofender tanto, e vão se provocar e se agredir tanto, que depois é difícil cicatrizar.

Um tem que ser adulto na hora do pânico. Um tem que ser responsável. Um tem que ser forte o suficiente para preservar as fraquezas do amor.

Publicado no jornal Zero Hora
Coluna semanal, p. 2, 10/12/2013
Porto Alegre (RS), Edição N° 17640

Integrantes do Mulheres Mil participam de oficina

Evento na Cooperativa ArtCulinária reuniu mulheres que receberam dicas de gastronomia e alta culinária.


Cerca de 20 associadas ao programa Mulheres Mil participaram nesta segunda-feira (25) da Oficina de Gastronomia "Cozinha Internacional e Sabores da Nossa Terra”, na sede da Cooperativa ArtCulinaria. Durante a oficina, as participantes receberam dicas sobre os conceitos básicos da gastronomia e a preparação de pratos clássicos das culinárias internacional e regional com ingredientes típicos de São João da Barra.

Utilizando alimentos da Agricultura Familiar, o chefFabiano Seixas preparou os pratos do dia: estrogonofe de robalo, paella de cordeiro e marinera, além de um bobó de camarão. As integrantes do Mulheres Mil, programa da Secretaria de Assistência Social, Trabalho e Direitos Humanos, em parceria com o Instituto Federal Fluminense puderam conhecer mais detalhes sobre segurança alimentar, boas práticas de higiene, segurança no trabalho e o pré-preparo e o controle de desperdícios dos alimentos.

Segundo Fabiano Seixas, a oficina teve um rendimento excelente. Já a representante do Mulheres Mil, Fabiana Ribeiro ressaltou que o trabalho foi de “grande aprendizado para o grupo”. Ela destacou como ponto alto o conhecimento de detalhes que fazem diferença na hora de preparar um “prato especial”. “Além disso, aprendemos novas formas de usar os alimentos provenientes da nossa agricultura familiar no preparo da comida”, ressaltou. 

Fonte: SECOM/SJB

Consciência Negra: 95 alunos se formam em Culinária Afro e Inglês

Noventa e cinco alunos dos cursos de Inglês e Culinária Afro-brasileira da Superintendência de Igualdade Racial receberam o diploma de conclusão de curso na noite desta segunda-feira (18/11). Evento faz parte da Semana da Consciência Negra.
A pedagoga Sula Martins aproveitou a oportunidade e voltou a cursar inglês. "Como você quase não usa no dia a dia você acaba esquecendo. Durante esse um ano e meio pude relembrar tudo. Agora vou fazer um curso na área de eventos e pretendo usar o inglês para atuar", disse.
Já a dona de casa Aline Almeida resolveu fazer o curso de Culinária Afro por curiosidade e hoje faz os pratos para a família.
"Fiz o curso em três meses e tenho um caderno com as receitas. Tive a oportunidade de conhecer algo novo, como se prepara essa comida que é muito saborosa e mais temperada do que fazemos em casa normalmente", comentou.
Familiares e formandos puderam degustar de pratos da culinária Afro-brasileira feitos pelo chef Fabiano Seixas, um dos formando da primeira turma do curso.
“Fiz o curso em 2010, e serviu para conhecer um pouco mais da origem e raízes dessa cultura. Procuro usar ingredientes clássicos da culinária afro como azeite de dendê, cebolinha, salsinha e crustáceos. Hoje preparamos uma moqueca de dourado, Lagostinha, Bobo de Camarão, Camarão VG e para sobremesa manjar e quindão”, falou.

Atualmente o chef Fabiano trabalha em uma empresa terceirizada que presta serviço a Petrobras, e conta que durante a seleção para o cargo teve como diferencial o curso de Culinária Afro-brasileira.
"Além de ser a minha profissão, cozinho porque eu gosto, para mim é uma terapia. Eu aconselho a quem quer seguir nesta área que faça um curso de gastronomia e depois busque uma especialização. No meu caso, os outros candidatos tinham cursos de culinária Francesa e Italiana, e o meu diferencial foi a cultura Afro”, explicou.
O superintendente Jorge Luiz ressalta que só este ano mais de 1.550 alunos participaram de cursos e oficinas da superintendência.

“Aqui atendemos a todos os públicos, mas a prioridade é a classe social menos privilegiada. Temos cursos de Inglês, preparação para o primeiro emprego e informática. Além de oficinas de violão, balé, capoeira, dança de salão, teatro e culinária Afro. As aulas acontecem não só na sede, como em bases em Goitacazes e no Imbé”, finalizou.

Fonte: URURAU

FCJOL abre Semana da Consciência Negra com formatura de cursos


A Fundação Cultural Jornalista Oswaldo Lima (FCJOL) iniciou na noite desta segunda-feira (18), a programação da Semana da Consciência Negra, com a formatura de 50 alunos do Curso de Inglês Técnico e de 46 alunos do Curso de Culinária Afro. O evento aconteceu na sede da Superintendência da Igualdade Racial. A presidente da FCJOL, Patrícia Cordeiro, representou a prefeita Rosinha Garotinho na formatura.


O superintendente Jorge Luiz dos Santos entregou o primeiro diploma do Curso de Inglês Técnico a jovem Tamires da Silva. A formanda do Curso de Culinária Afro, Tereza Cristina Lopes, recebeu o certificado da presidente do Conselho Municipal da Igualdade Racial, Salvadora Maria Ribeiro.
 
Ente autoridades e convidados especiais, o superintendente de Igualdade Racial apresentou o chef Fabiano Seixas, o Sepé, que falou aos formandos. Ele é ex-aluno da turma de 2010 do Curso de Culinária Afro e foi apresentado como exemplo de profissional, para quem o curso fez a diferença, colocando-o entre os melhores chefs de cozinha off-shore.
 
- Cada prato da cozinha afro tem sua própria história. Realizar eventos como este, dentro de uma semana de comemoração à Consciência Negra, é uma forma de preservar a cultura de todo um povo e de uma parcela importante de nossa sociedade. Assim, para marcar essa cultura, preparamos alguns pratos da culinária afro, para que todos possam degustar um pouco da delícia da comida do povo negro - destacou.
 
Moqueca de dourado com frutos do mar, bobó de camarão, pirão de peixe, quindão e manjar de coco foram alguns dos pratos típicos da Culinária Afro que os formandos e familiares puderam degustar.

Fonte: PMCG

Viagem pela gastronomia brasileira


É fato que o Brasil tem influência de várias culturas. Além de ter como primeiros habitantes os índios e de ter sido colonizado pelos europeus, recebeu contribuições africanas com a vinda dos negros na época da escravidão. Isso sem falar nos imigrantes! Não é de admirar que a culinária brasileira tenha a cara de muitos povos! Que tal conhecer um pouco a culinária de cada região do país e suas influências?
Região Norte, influência tupiniquim
Essa região tem grande influência indígena em sua cultura e na culinária não poderia ser diferente. Com sua grande variedade de peixes e frutas exóticas, podemos dizer que a gastronomia nortista é a que mais conta com a ação dos índios.
Nas águas do Rio Amazonas estão presentes os peixes que fazem parte do maior consumo da culinária da região como o tucunaré, pirarucu, pacu, tambaqui, jaraqui. Dentre as frutas estão os conhecidos cupuaçu, açaí e guaraná e também os deliciosos tucumã e pupunha.
Destacamos aqui o estado do Amazonas que foi o que mais preservou suas origens indígenas sem sofrer influências estrangeiras em seus pratos. Uma das delícias desse estado é o Pirarucu de Casaca. O pirarucu, conhecido como bacalhau da Amazônia,  é um dos maiores peixes de água doce do mundo chegando a medir três metros de comprimento e 250 quilos. Essa iguaria é servida em pedaços e em camadas de banana frita, batata, farofa com farinha de mandioca, ovos cozidos e leite de coco. Uma boa dica é preparar essa delícia amazonense no fogão Eletrolux 56DTB Celebrate duplo forno. Você não vai se arrepender!
Região Centro-Oeste, terra do tereré
A segunda maior região brasileira do país é também uma das menos populosas. Tem nos índios a principal base de sua cozinha, mas também conta com contribuições africana, portuguesa, italiana, boliviana e paraguaia. No Mato Grosso do Sul, devido sua proximidade com os  rios, encontramos grande variedade de pratos típicos com peixe, mas a carne também se faz presente na cozinha sul-matogrossense.
Destacamos o arroz carreteiro com charque, frequentemente servido no café da manhã nas fazendas do estado. É um prato simples, feito apenas de arroz e carne seca, além de outros ingredientes. Os especialistas dizem que o segredo para dar um “gostinho de fazenda” é cozinhar o arroz na panela de ferro.
Região Nordeste, culinária rica em pimenta
A Região Nordeste tem a maior extensão do litoral brasileiro. Suaculinária conta com influência portuguesa, indígena e principalmente africana. Destacam-se em seus pratos a marcante presença da pimenta e outros temperos fortes. Dentre os pratos típicos estão a tapioca, vatapá, moqueca de peixe, buchada de bode, fritada de siri, carne de sol entre outros.
A Bahia, maior estado e litoral da região, concentra grande influência africana e tem em sua cozinha três elementos básicos: o leite de coco, azeite de dendê e pimenta. Podemos dizer que uma de suas principais especialidades é o famoso acarajé, feito a partir de feijão fradinho. Do feijão é feito uma espécie de pão e dentro dele coloca-se vatapá, caruru e camarão seco acompanhados de saladinha de tomate e cebola com pimenta.  Se você quiser preparar em casa esta iguaria, deve passar o feijão no processador e uma boa ideia é usar o processador de alimentos Viva Collection 750W RI7762, da Philips.
Região Sudeste, a mais populosa do Brasil
Essa região é conhecida pela diversidade em sua gastronomia devido à  grande concentração de imigrantes italianos e portugueses e seus hábitos e costumes. Mas não deixa de ter influências africanas e indígenas. Iguarias como feijoada, bolinho de bacalhau, pão de queijo, galinha ao molho pardo, moqueca de camarão, empadão de frango entre outras não podem deixar de ser apreciadas.
São Paulo é mundialmente conhecida como capital da gastronomia. Isso se deve ao grande número de restaurantes nacionais e internacionais. Sua principal influência é a cozinha italiana, não é à toa que a pizza é o prato mais consumido no estado. Mas destacamos na região a cozinha mineira como uma das mais expressivas do país. Especialmente  no interior, nas regiões rurais, com delicioso tutu à mineira, que faz qualquer um repetir o prato. Os segredos de sua preparação envolvem o trabalho que se faz no feijão cozido. Quer uma dica? O Arno Clic Lav Top! Ele dá conta do recado e depois será só acrescentar outros ingredientes como alho, cebola, farinha, pimenta, ovos cozidos entre outros.
Finalmente, Região Sul
Com considerável influência européia, a região mais fria do país concentra sua gastronomia nos frutos do mar, devido à vasta extensão litorânea. O que  favorece o consumo de caldos e ensopados, além dos peixes, claro. Especialmente em Santa Catarina destaca-se o tradicional consumo de ostras, aliás, as melhores do Brasil. Florianópolis, ou Floripa como é conhecida, concentra a maior produção de ostras do Brasil, chegando a 80%. O camarão também faz parte da culinária catarinense.
Mas não é só de peixe e frutos do mar que vive a gastronomia sulista. Prova disso é o famoso churrasco gaúcho, tradicional no Rio Grande do Sul. Para prepará-lo é necessário pelo menos uma peça de carne, pode ser costela, picanha, maminha ou fraldinha. Além do carvão, para assar a carne, também é indispensável o sal grosso, que é o que dá sabor à iguaria. Também é preciso ter paciência, pois o processo é demorado, mas o resultado vale a pena.  Você pode tentar repetir a receita utilizando ferramentas mais modernas do que o “fogo de chão”. Para poucas pessoas, por exemplo,  a churrasqueira em aço pintado 3 espetos Araguaia – Mor é de grande ajuda. Finalize com queijo coalho e abacaxi assado com canela e todo mundo vai embora feliz da vida.
Enfim, o Brasil é um país cheio de sabores! E você consegue reproduzi-los, claro, com uma ajuda dos produtos que você encontra em nossos departamentos de eletroportáteis e utilidades domésticas!

Com inúmeras variações, paella dá água na boca


Prato tradicional da gastronomia ibérica, a paella chama atenção pela vivacidade das cores e riqueza dos ingredientes. Difícil não salivar. Na região da Valência, no século XV, os camponeses levavam arroz, óleo de oliva e sal ao saírem para o trabalho. Um grande tacho redondo, raso e com duas alças, conhecido como “paella” ou “paellera”, facilitava o ponto de cozimento por distribuir calor de maneira homogênea.
E, então, começava a mágica: além do arroz, ervilhas, sobras e carnes de caça eram acrescentados – os frutos do mar foram incorporados com a evolução da receita. “Alguém foi para o litoral e, na falta dos produtos do campo, inventou o modo marinheiro; outro juntou as duas e chamou de ‘mista’. Existem também as versões com carne suína, lagosta e outros mil tipos catalogados”, explica a chef Mireia Vila Garcia, do restaurante La Tasca, em São Paulo.
Também fundamental é o açafrão, presente na lista de ingredientes desde que a secular Valenciana, preparada sobre lenhas, levava caracóis, coelho e três tipos de vagem. Extraído de uma flor, é ele que dá o tom amarelado aos grãos. No Brasil, porém, o camarão costuma ser transformado no protagonista. “Preocupe-se em dar sabor ao arroz, não no tamanho dos frutos do mar”, revela Mireia. Chef do espanhol Eñe, Chico Farah concorda. “A carne vem como acompanhamento. O essencial é o ponto do arroz, que deve ‘pegar’ um pouco na panela”, defende.
Um segredo é caprichar no caldo. “A água fervida fica temperada com o gosto dos ingredientes, dando um sabor especial”, completa. Mas, independentemente do tipo, todas passam pelo “socarrat”, forma de cocção tipicamente espanhola que deixa o ingrediente principal – no caso, o arroz Bomba ou Senia -, caramelizado. “Esses grãos são mais curtos e graúdos. Quando cozido, tem consistência mais fofa e cremosa do que os demais”, diz Mireia.
O modo mais tradicional é a mista, feita com lula, camarões, mexilhões, lagostim, frango, pimentão, vagem e ervilha. Na Espanha, é servida com coelho. Muito popular, a marinera é preparada a partir de lula, camarões, mexilhões, peixe (geralmente o peixe-sapo), lagostim e pimentão.
Existe ainda o Fideuá, clássico da região de Gandia, que substitui o arroz por macarrão – combinado com peixe-sapo, lagostim, mexilhão e pimentão. “Não há inovações, mas adaptacões. A tradição do preparo é exatamente a mesma”, ensina Chico. A paella negra, por exemplo, recebe tinta de lula.
Na versão brasileira, utiliza-se mais água e menos caldo, com bastante açafrão. Originalmente, a quantidade da erva é mais sutil. Parte das prateleiras de supermercados nacionais há cinco anos, o arroz verdadeiramente espanhol deixa o prato ainda mais legítimo. E quanto mais frutado o azeite, melhor. Para harmonizar, vinhos brancos alicante, valenciano ou da região de Rioja são uma boa pedida. “Cervejas claras e sangria gelada com frutas também aprimoram o sabor”, recomenda Mireia.
Confira receitas de três modos diferentes de se fazer uma paellaespanhola:
Paella Mista (rende 1 porção)
Mireia Vila Garcia (La Tasca)

Ingredientes: 
- Azeite de oliva (à vontade)

- 150g de sobrecoxa de frango cortada em 3 partes 60g de lula cortada em anel
- 30g de camarão pequeno
- 100g de arroz parboilizado

 - 30g de tomate batido

- 60g de vagem
- 30g de ervilha (natural ou congelada)
- 15g de pimentão vermelho cortado em tiras
- 30g de mexilhão
- 2 camarões grandes
- 2 gomos de limão
- Sal
- Páprica doce
- Colorante

Preparo:
- Tempere com sal o frango e os camarões grandes. Aqueça o azeite numa paella, frite os camarões e o pimentão, retire e reserve para decorar. No mesmo azeite, doure o frango. Adicione a vagem, tempere com páprica e junte o tomate batido. Deixe cozinhar por dois minutos.
Adicione a lula e o camarão pequeno. Cozinhe por 5 minutos. Coloque a água e deixe ferver por 15 minutos. Junte o colorante alimentício e tempere com sal a gosto. 
Adicione o arroz em cruz e cozinhe em fogo forte por 10 minutos. Baixe o fogo e cozinhe até secar. Decore com os mexilhões, o pimentão e os camarões grandes.
A paella está pronta para servir.


Paella à la Marinera (rende 2 porções)
Sergio e Javier Torres (Eñe)

Ingredientes:                         
- 200g de arroz sênia

- 100g de lula cortada em quadrados
- 1 cebola brunoise
- 2 dentes de alho brunoise
- 1 tomate ralado
- 10g de pimentón de la vera
- 0,2g de açafrão
- 25 ml de óleo
- 1,2l de caldo de peixe
- Sal
- 300g de camarão grande
- 150g de mexilhão médio
- Azeite de oliva extra virgem
- Ciboullette finamente picada

Preparo:
- Em uma paella, aqueça o óleo e refogue a cebola e o alho, acrescente o pimentón de la vera e, logo em seguida, o tomate ralado. Junte a lula cortada e deixe cozinhar por alguns minutos.
Acrescente o arroz, o caldo de peixe, o açafrão e o sal. Antes de secar completamente o caldo, acrescente os camarões e os mexilhões. Coloque a paella no forno a 200°C por 3 minutos para que os mexilhões e os camarões cozinhem. Finalize com azeite extra virgem e ciboullette cortada.


Paella de pato com feijão Santarém (rende 2 porções)
Sergio e Javier Torres (Restaurante Eñe)

Feijão
- Feijão Santarém (do Pará) conhecido também como ‘manteiguinha’. Coloque na panela de pressão com pedaços de couro de bacon. Quando pegar pressão e começar a fazer barulho, cronometre 12 minutos e desligue. 
Esfrie a panela na água fria para agilizar o resfriamento. Reserve na geladeira.
Depois de refogar os ingredientes e o arroz, misture o feijão e deixe cozinhar outros 25 minutos como descrito abaixo.


Paella

Ingredientes:
- 200g de arroz tipo sênia

- 1/2 kg de coxa de pato
- 2 kg de gordura de pato
- 05 g de pimenta em grãos
- 2 folhas de louro
- 1 cebola
- 2 dentes de alho
- 5g de pimentón de la vera
- 1,5 l de caldo de frang
- 150 g de tomate madur
- Sal
- Pimenta do reino
- 50 ml de azeite
- 50 ml de óleo de canola



Preparo:

- Coloque numa panela a gordura de pato e aqueça-a até derreter. Depois junte a coxa de pato junto com a pimenta do reino, as folhas de louro e um pouco de sal. Cozinhe em fogo baixo, sem ferver por mais ou menos 5 horas ou até a carne estiver bem macia. Desfie a carne e reserve. Corte os tomates ao meio e passe num ralador grosso, para ralar a polpa. Reserve.
Leve uma paella ao fogo, adicione o óleo de canola. Acrescente o alho cortado em brunoise, refogue. Logo em seguida, a cebola também cortada em brunoise. Junte a carne de pato, refogue tudo.
Acrescente o pimentón de la vera, mexa bem e junte o tomate ralado. Refogue bem, adicione o caldo de frango, acerte o sal e cozinhe em fogo médio alto sem mexer. Quando o caldo da paella secar, o arroz deve estar cozido. Finalize com azeite de oliva e sirva.

Funemac abre Processo Seletivo Simplificado


A prefeitura, por meio da Fundação Educacional de Macaé (Funemac), abriu inscrições para o Processo Seletivo Simplificado (PSS) para a contratação temporária visando atender a termos de convênios, acordo, programas, ajuste e prestação de serviços para execução de obras, de caráter comum ou de urgência, durante o período de vigência destes, com possibilidade de formação de cadastro de reserva, conforme o edital nº 01/2013 publicado na Imprensa local no sábado (26) e disponível aqui.


O PSS seguirá o seguinte cronograma: as inscrições foram abertas nesta terça-feira (29) e podem ser feitas até segunda-feira (4 de novembro); as entrevistas serão feitas no dia 6 de novembro; resultado provisório dia 8 de novembro; prazo para recursos em 11 e 12, resultado final em 18 de novembro; e início da vigência do contrato em 1º de dezembro deste ano.

Os candidatos concorrerão aos cargos de auxiliar de informática, assistente de administração e logística e motorista. As inscrições podem ser feitas, das 9h às 16h, na sede da Funemac, na Avenida Aloísio da Silva Gomes, 50, 2º andar, sala do Departamento de Pessoal, no bairro Granja dos Cavaleiros. Os interessados devem levar os documentos exigidos no edital. O resultado final será divulgado no site da prefeitura www.macae.rj.gov.br e em jornal de grande circulação local.

De acordo com o presidente da Funemac e da Comissão do Exame de Seleção, Alexandre Azevedo, com este Processo Seletivo a Funemac pretende selecionar profissionais para atender, exclusivamente, à necessidade temporária de interesse público suprindo as vagas existentes em regime de contrato temporário pelo prazo de 12 meses, podendo ser prorrogado por igual período. A validade começa a contar a partir da data da homologação do resultado final.

São três etapas durante o PSS, obedecendo à sequência: prova de escolaridade, de caráter eliminatório; análise de currículo, classificatório; e entrevista presencial, de caráter eliminatório. Os candidatos aprovados e admitidos atuarão na Fundação Educacional de Macaé, Cidade Universitária.

Mais informações sobre carga horária, remuneração mensal, escolaridade e demais requisitos e atribuições, entre outras, podem ser obtidas no edital do PSS.

Vinícius - 100 anos no Teatro SESI Campos


CIDADE NEGRA no Sesc Campos!!!


Última chance para Uerj, UFF, UFRJ, UFRRJ, Uenf, Unirio e Cefet Vestibular Cederj - Prorrogadas as inscrições para até 10/11.


Atenção! Prorrogadas as inscrições do Vestibular Cederj até o próximo dia 10. Nesta edição, são 6.589 vagas para graduação em 14 cursos, na modalidade semipresencial de Ensino a Distância (EAD) nas instituições públicas de ensino superior do Consórcio Cederj da Fundação Centro de Ciências e Educação Superior a Distância do Estado do Rio de Janeiro (Cecierj). São elas: Cefet, Uenf, Uerj, UFF, UFRJ, UFRRJ e Unirio.

Os candidatos podem escolher entre bacharelado em Administração (659 vagas) e Administração Pública (437); Licenciaturas em: Ciências Biológicas (871), Física (385), Geografia (240), História (250), Letras Português/Literatura (300), Matemática (790), Pedagogia (826) e Química (267) e Turismo (285). Além das áreas de Tecnologia em Gestão de Turismo (285); Segurança Pública (500) e Sistemas de Computação (529). A prova do Vestibular Cederj será no dia 30 de novembro (sábado) e os aprovados iniciarão a graduação no primeiro semestre letivo de 2014.

Apenas para o curso de Tecnologia em Segurança Pública, só poderão concorrer profissionais da ativa da Segurança Pública, sendo 80% destinadas aos Policiais Civis e Militares do Estado do Rio de Janeiro. Os demais 20% são para as categorias de: Guardas Municipais, Agentes Penitenciários, Bombeiros, Policiais Federais e Policiais Rodoviários Federais, membros das Forças Armadas (Exército, Marinha e Aeronáutica), Agentes Portuários e Policiais Civis e Militares de outros Estados da federação.

As inscrições são recebidas somente no site www.vestibular.cederj.edu.br. O valor da taxa é de R$ 55,00. No ato da inscrição será necessário escolher o polo de ensino e o curso. A distribuição das vagas pelos 32 polos existentes em todas as regiões do Estado do Rio de Janeiro também podem ser consultadas no site.

Como é o aprendizado
Por meio do modelo semipresencial de ensino, o Cederj proporciona ao aluno um ambiente virtual de aprendizagem (pela internet) e acesso aos tutores para apoio direto ao conteúdo das matérias. Os estudantes são incentivados a participar das atividades propostas e assistidos na metodologia de educação a distância (EAD), com ênfase na necessidade de se adquirir autonomia na aprendizagem. Além disso, o aluno recebe gratuitamente todo material didático do curso na forma online e impressa. As avaliações presenciais ocorrem em datas e horários pré-determinados. Quanto a eventuais dúvidas, os universitários também podem tirá-las por telefone (0800) ou pela internet.

Sobre o Cederj
O Consórcio Cederj pertence à Fundação Cecierj, órgão vinculado à Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia, que conta com mais de 30 mil alunos matriculados nos cursos de graduação a distância. O Consórcio disponibiliza 32 polos regionais, localizados em: Angra dos Reis, Barra do Piraí, Belford Roxo, Bom Jesus do Itabapoana, Campo Grande, Cantagalo, Duque de Caxias, Itaguaí, Itaocara, Itaperuna, Macaé, Magé e Miguel Pereira. Além de Natividade, Niterói, Nova Friburgo, Nova Iguaçu, Paracambi, Petrópolis, Piraí, Resende, Rio Bonito, Rio das Flôres, Rocinha, Santa Maria Madalena, São Fidélis, São Francisco de Itabapoana, São Gonçalo, São Pedro da Aldeia, Saquarema, Três Rios e Volta Redonda.

Serviço:
Vestibular Cederj/UAB
Inscrições até 03 de novembro de 2013
Inscrições pelo site: www.vestibular.cederj.edu.br
Valor da taxa: R$ 55,00