Desempenho de escolas estaduais é prejudicado por baixo investimento

O ministro da Educação, Fernando Haddad, atribuiu à insuficiência de investimentos o baixo desempenho dos alunos de escolas da rede pública estadual, em comparação aos de escolas privadas, no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Ao comentar os resultados por escola durante evento do Instituto Ayrton Senna, em Brasília, nesta quarta-feira, 29, o ministro também destacou a situação socioeconômica dos estudantes.


“A média de investimento nos estados é de R$ 1,5 mil por aluno por ano. Esse valor é comparável ao de uma mensalidade escolar da rede privada”, afirmou. O ministro lembrou que os investimentos estaduais no ensino médio cresceram cerca de 50% acima da inflação, entre 2002 e 2007. “Mas ainda é muito pouco”, observou.


A média das escolas federais, no entanto, equivale à de países desenvolvidos. “Todas as escolas têm metas estabelecidas pelo PDE (Plano de Desenvolvimento da Educação). As federais estão muito próximas da meta a ser alcançada em 2021. As estaduais estão longe”, afirmou.


Por outro lado, Haddad destacou que o atual modelo do Enem não compara resultados no tempo e não engloba todo o currículo do ensino médio. “Não é possível aferir melhorias com o atual modelo”, alertou.


Já o novo Enem, proposto pelo Ministério da Educação, como alternativa aos vestibulares, permitirá identificar se houve melhoria no desempenho dos alunos ao longo do tempo. “Hoje, a métrica não é a mesma entre as provas. O novo Enem terá uma nova tecnologia que permitirá a comparabilidade e a orientação do currículo do ensino médio”, explicou.


Quanto às condições socioeconômicas dos alunos, Haddad disse que cerca de um terço dos brasileiros em idade escolar básica vive em condições de pobreza, tem pais com pouca ou nenhuma escolaridade e sofre com problemas que interferem negativamente no desempenho escolar, como as migrações ou o trabalho infantil.

Nenhum comentário: