XIV Bienal Internacional do Livro do Rio de Janeiro terá novas atrações na programação cultural voltada para todos os públicos

Consolidada com um dos principais eventos culturais do país, a Bienal 2009 apresenta uma programação repleta de novidades e presta homenagem aos EUA Uma programação cultural rica e diversificada espera pelos 600 mil visitantes estimados para a XIV Bienal Internacional do Livro do Rio de Janeiro, que acontece entre 10 e 20 de setembro, no Riocentro. Novos formatos e a presença de importantes escritores brasileiros e autores internacionais conceituados vão formar a grade, que nesta edição homenageia os EUA e contará com um total de 67 sessões de debates e 84 apresentações voltadas para o público infanto - juvenil. Mais uma vez a organização da Bienal do Livro inova, marca registrada do evento, oferecendo ao público uma grade mais dinâmica, diversificada e especialmente desenvolvida para atender a todas as faixas etárias e perfis. A programação cultural desta edição contará com investimento de R$ 1,7 milhão, 30% a mais que em 2007.


De acordo com os organizadores do evento, o Sindicato Nacional dos Editores de Livros e a Fagga Eventos, a Bienal 2009 foi desenvolvida pensando na qualidade e diversidade do conteúdo. "A cada edição buscamos novas formas para estimular ainda mais o hábito da leitura. Vamos apresentar propostas diferentes, que vão aproximar ainda mais os leitores do universo literário", conta a presidente do SNEL, Sonia Machado Jardim. A Bienal do Livro do Rio apresentará três novos espaços, uma exposição que retrata o trabalho de décadas de um dos principais editores do país, o já consagrado Café Literário e encontros com escritores estrangeiros.


Uma das principais apostas desta edição é voltada para o público infanto-juvenil. A Floresta de Livros será o maior espaço em metragem da Bienal 2009, oferecerá diariamente uma experiência única de contato com os livros, aliando tecnologia e informação. As outras novidades são: Mulher e Ponto, dedicado ao debate de temas de interesse das leitoras do país; e o Livro em Cena, que será palco de leituras dramatizadas de clássicos da literatura brasileira. "Fizemos um trabalho grande de pesquisa para informar a definição do novo formato da programação cultural. A ideia central foi renovar e qualificar. Apresentar uma programação mais bem elaborada e mais consistente, com novidades para os diferentes tipos de leitores. Escolhemos um time de curadores de talento e experiência e aumentamos o investimento para oferecer um belo programa para todas as faixas de idade e interesse", afirma o vice-presidente do SNEL, Roberto Feith.


Ao longo dos 11 dias de evento, mais de 100 autores brasileiros, 18 internacionais - sendo 12 da comitiva norte-americana - participarão das sessões, debates e encontros da programação cultural.


Fonte: Assessoria de imprensa

Nenhum comentário: