Uma conquista histórica!

Uma conquista histórica!

“Estamos diante da possibilidade de iniciarmos a construção de um IFF verdadeiramente democrático e participativo. Contamos com seu apoio e confiança na escolha dos novos membros do Conselho Superior”.
Trecho de mensagem enviada por SMS ontem pela manhã por um homem de grande e invejável caráter.

A terça-feira foi um dia histórico, mais uma oportunidade de participar de uma eleição e sair com a certeza de que tinha feito a escolha correta, estar ao lado dos estudantes, professores e funcionários do Instituto Federal Fluminense que optaram pela construção de um projeto institucional coletivo, que contempla as diversas correntes internas que se uniram, numa coalizão em prol de um embate salutar contra os patrocinados pela reitoria, que felizmente perderam, mesmo estando com a máquina administrativa na mão, agindo com coerção e toda permissividade comuns aqueles que se acham acima do bem e do mal e que se intitulam como detentores da sabedoria, do conhecimento e que se enclausuram em seus castelos de vidro, achando que tomam as decisões pelo coletivo.
Os resultados apurados nas urnas foram reflexos da discordância coletiva daqueles que não mais aprovam o atual modelo de gestão do Instituto Federal Fluminense, que não contempla a todos, que exclui aquele que pensa diferente que por ter autonomia e independência discorda daquilo que considera diferente, onde confunde publicidade oficial com propaganda personalista e que maquia as informações para que tudo parecer estar as mil maravilhas, que não respeita os integrantes do movimento estudantil, ao dar atenção apenas aos componentes do Diretório Central dos Estudantes, já que a cor vermelha partidária que fomenta o relacionamento é a mesma, e onde mais uma vez fizeram aliança com o partido de direita dos tucanos e já colecionam mais uma derrota eleitoral.
Este modelo de gestão está desgastado, principalmente quando traz à tona personagens que são motivo de ojeriza na comunidade escolar, pois representam aquilo que há de mais nefasto no meio estudantil e acadêmico: aos amigos do rei ou da rainha tudo, aos adversários os rigores da lei a colocação na geladeira, a taxação de irresponsáveis e incompetentes.
Muito ainda tem para ser construído, outros pleitos serão encaminhados até dezembro e os confrontos existirão de forma continua e permanente, de um lado o movimento que busca assumir o leme e conduzir o IFF para novos mares, contemplando a todas as correntes e do outro lado um grupo que busca se perpetuar no poder, agora com um misto que une religiosidade neo-católica, juntamente com o pesado pseudomarxismo da antiga URSS, ainda existente na cabeça daqueles que são reacionários, autoritários e oportunistas de plantão, de gente boa assim o inferno está cheio e vez por outra abre a porta para um desses indivíduos passe uma temporada por lá fazendo um MBA (muita besteira acumulada) para voltar do turismo do outro lado do Atlântico, mostrar suas fotos e contar historinhas para os beócios bajuladores contemplem as aventuras dos néscios açodados.

3 comentários:

José Luiz disse...

Sepé parabéns pela clareza da exposição que reuniu com objetividade o sentimento da maioria dos servidores e estudantes do IFF.
Suas palavras são um incentivo para que as diversas correntes que tem sido de forma recorrente desprezadas se unam mais ainda na construção de um projeto de participação.

Anônimo disse...

Infelizmente não me sinto bem postando aqui como anônimo. Mas infelizmente não vivemos uma real democracia no IFF e ainda é mais seguro preservar alguns de nossos nomes. Sepé traduz de forma brilhante o sentimento da grande maioria de nos. A postura da primeira diretora em cem anos é vexatória e, infelizmente, nossa reitora registra seu nome na historia dessa instituição em linhas tortas e letras manchadas. Juro que acreditei num marco feminino dentro de sociedade machista que é a nossa sociedade campista, mas ainda não será dessa vez. Juro que cheguei a pensar que fosse um pensamento pessoal. Mas não, o resultado nas urnas foi o termômetro de que outros tempos se iniciam e que bajuladores e servidores que estão preocupados muito mais com os seus próprios umbigos do que com o coletivo estão com seus dias contados. Mantendo-se firme em seus propósitos um novo grupo se prepara para mostrar que essa gestão “já vai tarde”!
Parabéns Thiago Sipoli, Ricardo, Ana, Edinalda e Edson!

Anônimo disse...

Já vai tarde!!!
hehehe


Adeus bagueira, roberto moraes, Cibelle e toda equipe de incompetentes!!!