A pracinha da minha infância

Obras na Praça da República - Foto: Francisco Isabel

Na década de 90, estudava no Colégio Estadual José do Patrocínio, uma escola pública, sucateada como as demais naquele momento, não tínhamos bons laboratórios, nem salas de aulas confortáveis, apenas uma quadra de cimento descoberta era utilizada para a prática esportiva, muitas vezes sem orientação, pois o professor de educação física aparecia de vez em quando, para mostrar uma das bicicletas importadas de sua coleção, o cara era fascinado pelos modelos americanos da marca Trek, algo muito distante da realidade social dos inúmeros alunos daquele estabelecimento de ensino, que chegavam para estudar com suas Calois, Monarks, Monaretas e outras magrelas sem marcas, algumas até mesmo conhecidas como “resto de oficinas”, pois eram montadas com as peças de outros modelos.

Mas enfim, o momento de ir para casa era dos mais esperados, pois iria aguardar o ônibus na pracinha em frente a Igreja do Rosário, mais conhecida como a Igreja do Saco, no Parque Leopoldina.

Saudades daquele tempo, onde o brinquedo conhecido como “trepa-trepa” me proporcionada algumas cicatrizes, pois desafiar a gravidade era algo muito comum naquele momento, assim também como seus balanços de ferro, onde empurrar minha irmã Ana Maria e outros colegas de classe era algo fascinante, muitas vezes com o intuito de que eles caíssem do brinquedo para ficar rindo deles.

A gangorra, e seu sobe e desce os túneis, e naquele mágico lugar também foi palco das primeiras descobertas, os primeiros beijos, as primeiras namoradas do colégio, ficar abraçado nos bancos da praça, o mágico momento da troca de afagos, carinhos, os beijos ardentes que despertavam as novas sensações nos corpos em fase de transformação das crianças que se tornavam adolescentes.

Quando o ônibus aparecia na esquina da rua Dr. Mattos, era aquele corre-corre, anunciando que era hora de acordar, o sonho acabou e a realidade se apresentava, agora só no dia seguinte para voltar à escola e aguardar o retorno e os momentos mágicos que só eram possíveis na pracinha.

Hoje, morando no Flamboyant, tenho a oportunidade de passear com meu filho, em duas pracinhas, arborizadas, bem conservadas, com alguns brinquedos, mas tudo isso uma exceção, numa cidade marcada pela desigualdade social, pois já vivi a realidade de morar no Parque São José, em Guarus, onde existe apenas uma praça, com uma marquise para abrigar passageiros de ônibus e sem nenhum brinquedo, um reflexo das praças dos bairros distantes da área central da cidade.

Uma outra praça que fez parte da minha realidade, foi a Praça da República, esta no Centro da cidade, bem ao lado da Rodoviária, um lugar arborizado, que recebeu num determinado momento o pomposo nome de “Bosque da Juventude”, tinha uma pista de skate, quadras polivalentes, pista de bicicross, um palquinho, que o tempo e a falta de manutenção tornaram o lugar, não mais atrativo para crianças e adolescentes, virou cenário para consumo de drogas, prostituição, abrigo de mendigos e meliantes.

Uma reforma foi iniciada no governo passado, depois de tantas promessas, e que deve ser concluída pelo atual governo.

As praças podem ser espaços para a socialização, para a prática esportiva e as diferentes formas de manifestações de projetos sociais e culturais, principalmente com as ações que ocupem jovens e adolescentes que hoje são alvos fáceis das drogas, da criminalidade, sendo a parcela da sociedade que mais cresce nas estatísticas de assassinados e execuções a tiro.

Torçamos muito para que o atual governo construa e reforme as praças existem na cidade, ocupando-as, não apenas para enriquecer os empreiteiros/construtores, mas para proporcionar a tão gasta “qualidade de vida” para todos aqueles que habitam ou estão de passagem pela cidade.

Um comentário:

cachacaria maledita disse...

convido você para conhecer meu blog, abraço