Rio Com Vida - Fórum Social Mundial 2008 - XI

Como a gente pode ser normal se o normal é tão estranho? É tão lógico é pra-tão-pouca-gente?
É tão lógico, é pra-pouco-gente... Não! Nós só podemos ficar com a anormalidade. Com a loucura dos sonhos. Com a embriaguez da esperança. Nós não vamos nos adaptar. Preferimos o lado dos excluídos, dos descamisados, das mulheres guerreiras, do povo trabalhador. Nós caminhamos com os movimentos sociais, somos contra a guerra e o capitalismo, não gostamos da Globo e muito menos do padrão de beleza e o comportamento que nos impõem. Nós gostamos mesmo é dos negros e dos brancos, dos gays e dos heteros, dos homens e das mulheres, dos poetas e dos gagos, da lucidez e da loucura. Nós gostamos do diferente, da riqueza do diferente, da contradição do diferente, dos questionamentos do diferente. Nós achamos que o mundo deve ser pra todo mundo. Que o mundo, deve ser para as pessoas. Que as pessoas são o mais importante!






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dia do Índio - Tribo Goytacazes

O significado do gorro (barrete frígio) no Brasão de Campos dos Goytacazes, por Marcelo Bessa