A cidade que nasci e é meu ideal de vida hoje! Campos dos Goytacazes, Estado do Rio de Janeiro

Campos dos Goytacazes, seus encantos, belezas e magias

Minha Campos, que era dos índios Goytacazes, uma tribo, de valentes, guerreiros e que foram dizimados pelos europeus, principalmente os portugueses, descendentes dos senhores de engenhos, os homens que durante anos mandaram a ferro e fogo na cidade.
Aqui também vive/viveu a segunda maior população de escravos negros do Brasil, ficando atrás de Salvador-BA, onde a abolição só ocorreu muito depois do Ato da Princesa Isabel, onde ainda hoje existem pessoas marginalizadas, carentes, humilhada e massacrada por governos ditos populares, onde o que mais importa é o acumulo de bens e ostentação de riqueza, onde mansões são construídas ao lado de barracos, onde carroças dividem espaços com carros de luxo importados, onde as grifes são para as elites e as camisas com o nome do político para o pobre, analfabeto que depende de um sacolão, uma vaga naquela empresa prestadora de serviço, ou um caminhão de tijolo para construir o seu barraco, uma área invadida, o que é visto claramente no Parque Aldeia, ao lado da lagoa de Furnas.
O Senador Nelson Carneiro deve estar se revirando no túmulo, ao ver que a Lei que criou, como forma de compensar os danos causados pela exploração de petróleo nas cidades onde este tipo de serviço é realizado, se vivo estivesse, não acreditaria, nem seria participante deste desmando e aprobriação indébita do que é para ser usado restritamente para obras de urbanização e saneamento.
Quando li no telegiz do Irajá a frase: Os responsáveis por isso são os Royalties do Petróleo, me fez refletir e por um instante imaginar se a ganância para chegar ao cargo de chefe do executivo municipal existiria se esse montante de repasses não mais existissem.
Não pensam na cidade a longo prazo, os investimentos são obscuros, a aplicabilidade do que é público se torna uma caixa preta indecifrável.
Carecemos de bons homens, com integridade, honra, caráter e ética para nos representar, pois assim que assumem algum posto, logo são cooptados, e de brinde ganham recursos para administrar aquela ONG ou Associação sem fins lucrativos!(?), para arregimentar os cabos eleitorais para o próximo pleito.
Eu acredito que a sociedade civil organizada seja capaz de se reunir e traçar novos planos para que tenhamos um cidade bem administrada, com planejamento capaz de resolver a problemática dos transportes, da educação, da saúde, do saneamento básico, da habitação, do esporte, da cultura.
Não queremos mais viver de pão e circo, esta fórmula de governar está ultrapassada.
É o momento oportuno para contratar gente capacitada para agir, com formação educacional direcionada a cada pasta e não um monte de figurinhas que são repetidas, como alguém disse: - São todos farinhas do mesmo saco, apenas fazendo uma dança das cadeiras! Chega do jeitinho brasileiro.
Ou aproveitamos este momento para que Campos tome um rumo e se desenvolva, o estaremos fadados a pagar o preço do atraso e as consequências de ser omisso, compactuando e aceitando tudo do jeito que está.
Chega do pacto da mediocridade!
Vamos avançar!
Olhar para frente e não buscar culpados, olhar para o futuro e fazer com que os príncipios estejam acima das personalidades!
Que algúém se inspire em José do Patrocínio e outros vultos da Planície para proporcionar ao povo da nossa terra um pouco mais de digninidade e paz.
É o que penso!
Fabiano Seixas!
"Quando os justos governam, alegra-se o povo; mas quando o ímpio domina, o povo geme."
Provérbios 29:02

Um comentário:

José Guimarães disse...

Muito bom seu texto, Fabiano.
Apesar da pressa, li-o inteiro.
Parece escrito por uma pessoa madura, consciente, sabedora do que acontece em sua cidade.
Eu não vi em que estado fica sua cidade.
Parabéns pelo blog.