O meu Programa de Transição

Trótski e a sua filha Nina

O "Programa de Transição" (1938), elaborado por Leon Trotsky, teve como objetivo definir bases programáticas para a construção da IV Internacional.
Trotsky acreditava que era preciso auxiliar as massas trabalhadoras a encontrar uma "ponte" entre as reivindicações que tivessem naquele momento e o que seriam bandeiras programáticas propriamente revolucionárias.
Defendia que se elaborasse um sistema de reivindicações transitórias, construindo um programa de acordo com as condições momentâneas e a consciência momentânea de amplas camadas da classe trabalhadora, mas que fosse capaz de conduzir à conquista do poder pelo proletariado.

"Dentre os fatores que determinam o movimento de massas, segundo Trotsky temos de um lado as condições objetivas do capitalismo que está em um processo de deterioração, o que guia as massas rumo à revolução e de outro lado temos a atitude traidora da direção das organizações operárias. O fator decisivo, porém é o histórico que não se submete as direções traidoras e que de acordo com o longo processo de elaboração do materialismo histórico determina a tomada de poder pelas massas trabalhadoras."

"O programa mínimo segundo Trotsky é o conjunto de todas as reivindicações democráticas que deveriam ter sido atendidas pelo próprio capitalismo e que seriam desenvolvidas na nova etapa socialista através de um programa de reivindicações máximo.
Como reivindicações mínimas, podemos destacar os direitos sociais, direito a voto, etc.
Historicamente temos uma separação do programa mínimo e do máximo devido as diversas etapas até se chegar a revolução socialista, o que faz com que um conjunto de reivindicações mínimas sejam atendidas para que depois tenhamos um número maior de reivindicações máximas, atendidas pela própria revolução socialista."

2 comentários:

Renato disse...

Em um tempo de evidência da permanente crise do capitalismo e de tantas direções traidoras,valeu a lembrança!
Um abraço,Renato Gonçalves.

Fabiano Seixas disse...

Renato, aprendi alguns valores contigo que fazem parte do meu cotidiano, da minha forma de interpretar o mundo e as engrenagens que atuam numa espécie de comensalismo.
Ler sobre o Leon e discutir o seu pensamento político, junto aos militantes do ME na década passada, me fizeram acreditar que uma outra sociedade é possível, se se prostituir, o que é tão como aqui na terra plena.