ALIENÍGENAS NA SALA DE AULA


Para os autores a juventude era vista antes como uma fase passageira, um estágio temporário no movimento em direção à normalidade que chegava com a fase adulta e essa passagem ordeira tornou-se agora carregada de uma incerteza arbitrária.

Os alienígenas não estão apenas nos visitando e indo embora, eles estão aqui para ficar e estão assumindo o comando. E fica a interrogação: Quem são os alienígenas? Os/as alunos/as ou os professores/as? Parece que somos nós que estamos sendo cada vez mais transformados em “outro/a”.

O que podemos constatar é que um novo tipo de subjetividade humana está se formando a partir do nexo entre a cultura juvenil e o complexo crescente global da mídia. Está sendo construída uma identidade inteiramente nova, corporificada em novas formas de ser e tornar-se humano. Uma nova relação entre a escolarização e a mídia está sendo construída, com todos os problemas e possibilidades. E o currículo tende a se desviar da escola, ela que até então funcionou como o mecanismo central da socialização da fase pré-escolar à fase pós-escolar (entrada no mercado de trabalho).

Como educadores somos levados a avaliar o nexo cada vez mais importante entre a cultura da mídia e a escolarização pós-moderna, assim como os movimentos em direção à informatização e à tecnologização do currículo.

Devemos avaliar aquilo que já está ocorrendo em nossas salas de aula, quando os alienígenas entram e tomam seus assentos, como criaturas surgidas debaixo da terra. E há aqueles que vêem a cultura popular como o outro demoníaco da cultura alfabética e valorizam a cultura literária em relação à televisão, a cultura impressa em detrimento à cultura visual.

Com o advento da comunicação instantânea: satélite, TV, fibra ótica, telemática, vivemos em um espaço-velocidade e neste espaço projeta-se virtualmente receitas, previsões do tempo, cotações da bolsa, discussões políticas, idéias religiosas e fantasias sexuais.

E o texto se confunde com o contexto. E a escola que se tornou um importante espaço nesse cenário, um dos alvos primeiros da comercialização de produtos de tecnologia de informação, exerce agora um papel cada vez mais importante no uso das novas tecnologias da informação.

A ecologia digital em que nos encontramos desenvolveu-se ao redor de nós e nós nos adaptamos a ela, alguns mais prontamente que outros. Nossos jovens nasceram nela e este é o seu ambiente natural. O que temos é que ter muita humildade diante do reconhecimento da inevitabilidade da diferença, porque não há como voltar atrás. E nem ficar classificando imagens positivas e negativas. É muito complexo viver nos novos tempos, repleto de mundos virtuais.


REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA


GREEN, Bill. BIGUM, Chris. Alienígenas em sala de aula (Trad. Tomaz Tadeu da Silva). Tomaz Tadeu da Silva (org.) Petrópolis RJ: Vozes, 1995. Pg. 206-43.

Um comentário:

Quelem disse...

afinal qm sao os alienigenas